Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Saber Viver Psicologia

Saber Viver Psicologia

11
Fev10

Arrependimento depois do divórcio

Prof. Vítor Rodrigues

Separei-me no ano passado por minha iniciativa. Sentia uma tristeza profunda e estava completamente frustrada com o casamento e o marido. Demorei um ano para tomar a decisão. Tenho filhos, daí que a decisão tenha sido terrível. Hoje, passado um ano, estou sozinha, com um sentimento de culpa muito grande, não consigo reconstruir a minha vida e, pior ainda, tenho ataques de pânico resultantes da saudade de dar carinho ao meu marido, da vida familiar. Sinto pânico de me sentir arrependida da decisão que tomei e sinto que fui traída por mim mesma, que o arrependimento e sentimento de culpa estão a destruir-me. Estou sem forças e o meu ex-marido, entretanto, já colecciona um vasto número de mulheres. Por favor, ajude-me a perceber o porquê desta situação. Será que é a saudade que nos deixa perceber se amamos alguém?


Suspeito de que no seu texto indica algumas soluções sem se aperceber disso.

 

Provavelmente não tem saudades do seu marido mas de ter a quem dar afecto e ter vida familiar.

 

Por outro lado, ficar como principal cuidadora dos filhos é difícil. Quero, no entanto, dizer-lhe que, segundo pesquisas feitas, para os filhos é melhor uma boa separação do que um mau casamento.

 

O importante, na medida do possível, é sentirem que os pais não se divorciam deles e continuam a amá-los e a valorizar a sua companhia.

 

Faz parte dos sentimentos depressivos e da insegurança, por vezes, a tendência para olhar para trás com receio de ter errado, culpa, mágoa. No entanto, a solução implica também olhar para a frente, usando a experiência adquirida para ir mais longe.

 

Olhando na direcção do futuro, você sabe que é capaz de amar e isso diz-lhe que pode amar outra(s) pessoa(s).

 

Por vezes, confundimos a saudade de ter a quem amar, expandindo o nosso potencial afectivo, com a saudade da pessoa a quem amámos outrora e que, na realidade, deixámos de amar.

 

Podemos lembrar-nos das coisas boas esquecendo as más. Isso alimenta a ilusão de que tudo pode ser como foi no seu melhor e não como era quando escolhemos dolorosamente a separação.

 

Esta foi dolorosa, exigiu coragem e você teve-a. Se acha que errou (como todos os seres humanos), a solução que considero mais saudável consiste em redimir-se fazendo melhor a seguir.

 

Mas isso implica deixar de olhar para trás e procurar novas experiências onde usará o que sabe para fazer melhor.

 

Por outro lado ainda, é natural que o peso de estar sozinha conte muito.

 

Buda disse que se alguém se sente mal quando está só é porque é má companhia... para si mesmo. Vale a pena aprender a arte de estar sozinha e sentir-se bem.

 

Depois, será ainda melhor companhia para os outros por estar com eles por opção livre e por prazer.

 

O seu texto não me forneceu indicações suficientes para perceber até que ponto está a sofrer de uma síndroma de pânico e/ou de uma depressão reactiva. A ser esse o caso, entretanto, vale a pena procurar também ajuda especializada.

 

Em certos momentos, quando a tempestade é muito forte, a sensatez manda abrigar-nos e, com ajuda, se possível, esperar que passe.

 

Depois as coisas desanuviam e podemos ir em frente...


 

1000 comentários

Comentar post

Pág. 1/86

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Saber Viver deste mês

Links

Ligações

Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2007
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D